Louvando o amor
Maria Nogueira Martinelli
(Sapeka)
 
 
Te canto amor, na forma mais simples que possa existir
Com todo sentimento na força uterina que trago em mim
Me inspiro no cosmo da etérea certeza de apenas sentir
E te trago guardado no meu infinito eternamente assim!
 
 
Te busco no tempo, primórdio começo do meu ancestral
E danço o amor em raízes profundas desse meu rebalsar
Acerto meu passo em acordes longínquos desse espectral
Ao som da certeza que o amor é o eterno na vida a pulsar!
 
 
Te levo amor, seguindo na vida o curso, erguendo os altares
Renasço em você que se esconde no tempo desse meu sochão
Construo meu templo cultuando o amor em altos patamares
 Assim perpetuo você, o amor supernal, festejado em oração
 
 
Sempre Sapeka
10/07/2006
 
 
 
Falando de Amor
Marilú Santana
 
O meu canto de amor inda é verso menor da Imortal Poesia
Vou por ele e me dou enfeitada na cor bem sonante da rima
Só com ela eu Sou do Universo Maior a pequena  melodia
É falando de amor que meu canto onde for vai tecer sintonia
 
Se eu gemo em bemol logo um raio de sol se derrama em mim
No tear do meu chão rega de luz emoção um tapete encantado
Enfeitando noite e dia no fio da fé que me fia numa rede sem fim
Canto amor na canção com voz do coração numa prece entoada
 
Acordando vida em mim desde os séculos sem fim sei do amor chama
Sob a dureza da pedra que a natureza se queda sem entender belo hino
De novo o amor sonata sopra na copa da mata doce essência reclama 
Liberte o canto primata deixe voar o astronauta no espaço de cada imo!

 

 

Menu

Criação - ©Copyright 2006 - Machado Web Solutions.