MISTUR...ÂNSIAS
 
Luiz Poeta ( sbacem-rj ) – Luiz Gilberto de Barros
 
À meia-noite e 18 min do dia 12 de outubro de 2006 do Rio de Janeiro
 
 
 
No lirismo virtual de tantos dos beijos,
Teu amor refugiou-se na agonia;
Misteriosa da ilusão dos teus desejos
Misturando o teu prazer com fantasia.
 
 
 
No cinismo torpe dos falsos anseios
Onde a dor do desamor se diluía, 
Tua dor assassinou teus devaneios
Pondo a tua solidão na alma vazia.
 
 
 
No abandono mais tristonho que surgia,
Teu amor foi se tornando um indigente
Que não mais sonhava e nem sequer dormia
Porque até o próprio sonho estava ausente.
 
 
 
Quando o teu lirismo doce e repentino
Retornou tomando a mão da poesia,
Por ser frágil o teu amor, como um menino
Muito triste, já nem mais te conhecia.
 
 
 
 
E esse teu velho sonhar, por ironia,
Ocultou-se dentro de outro coração
E esse teu antigo amor que te fugia
Se perdeu na dor da tua solidão.
 
 
Luiz Poeta
 
 
 
 
 
 
 
 
Fantasias
Maria Nogueira Martinelli
(Sapeka)
 
 
 
No meu mundo virtual de fantasia
Eu misturo meu prazer com a magia
Faço o mundo ser o céu, o sol e lua
E seguindo sinto o mar por essa rua
 
 
 
 
Povoando sonhos numa alma vazia
Onde antes só a dor nesse dia existia
É esse mundo que disfarça a agrura
É assim que eu espanto a amargura
 
 
 
Não foi amor que esqueci nesse meu dia
Nem dor que camuflei em falsa calmaria
É o cansaço que se transforma em tortura
Quando a realidade te faz doer a alma nua
 
 
 
 
É nesse mundo virtual que me acalento
E deixo entrar o sonho de pura fantasia
Assim o amor que trago aqui pra dentro
Me completa e libera o lirismo na poesia
 
 
 
Faço o sonho ser real como eu queria
Me transporto desse porto tão seguro
Só assim que me afasto dessa apatia
Sem esse amor que eu tanto procuro
 
 
Maria Nogueira Martinelli
(Sapeka)
 

12/10/2006

 
 
 
 
 
 
criação - Denise Moura
 
 
 

 

 

 

Menu

Criação - ©Copyright 2006 - Machado Web Solutions.